quinta-feira, 18 de junho de 2009

Educação: Movimento grevista perde força e o diálogo poderá prevalecer

Hoje faz sete dias que os profissionais em educação do município de Tuntum entraram em greve tendo como principal reivindicação o pagamento do piso salarial regulamentado pela lei federal 11.738, de julho 2008. O piso cobrado pela categoria com relação aos atuais vencimentos equivale a um reajuste de quase cem por cento aos profissionais graduados e pós-graduados. Para que esse aumento aconteça a Secretária de Educação teria que demitir em massa mais de 600 profissionais em educação contratados e que estão em sala de aula, na sua maioria pais e mães de famílias que poderão ficar desempregados
A paralisação iniciou na última sexta-feira com uma caminhada pelas principais ruas da cidade objetivando sensibilizar a sociedade sobre as reivindicações. Nesse espaço de sete dias de paralisação parcial das atividades escolares percebe-se, no momento, o enfraquecimento do movimento grevista, em que a maior parte das escolas já estão com suas atividades quase que normalizadas, exemplo é a escola José Teixeira, a maior da sede em número de alunos, que desde o início vem funcionando, mesmo com a adesão de professores a greve.
A tática utilizada pela Secretária de Educação consiste em substituir o professor grevista (concursado) por um professor contratado. Em algumas escolas a situação ainda não se normalizou, segundo a Secretária em razão do comportamento atípico de greve e antiético de alguns professores que estão impedindo os alunos entrarem em algumas escolas, contrariado as atitudes defendidas pelo próprio sindicato. Hoje pela manhã a polícia foi acionada em duas ocasiões para inibir supostas badernas causadas por professores que tinham o intuito de impedir a continuidade das aulas.
No dia de ontem empunhando faixas e cartazes e com o apoio de um carro de som os professores voltaram as ruas exigido a aplicação do piso salarial. Para o secretário de Educação, Antonio do Reis, o Governo Municipal vem se comportando descentemente aberto ao diálogo e a formulação de novas propostas. Ainda segundo o secretário o melhor caminho seria a categoria, liderada pelos seus representantes do Sindsert esperar a realização do concurso público, com expectativa para o mês de agosto, em que o grande quadro de professores contratados se extinguirá com brevidade, dando lugar aos concursados que receberiam uma nova proposta salarial condizente a todos. Até o momento os líderes do movimento grevista não sinalizaram a completa desistência da paralisação, mas há possibilidades se as negociações ganharem novo curso mediante novas propostas de ambos os lados.

10 comentários:

  1. Caríssimos leitores,
    A Lei nº. 11.738/2008, foi votada pelo Congresso Nacional e sancionada pelo Presidente da República, no intúito de corrigir enormes distroções salariais dos professores por este Brasil a fora, principalmente entre os integrantes da redes municipais. É do conhecimento de todos que os desníveis acontece de forma mais acentuda no nordeste brasileiro. Enquanto há prefeituras que pagam salários rozoáveis, considerando a realidade brasileira, há também aquelas que ainda pagam menos da metade do salário mínimo.
    O urgumento para tal situação é sempre o mesmo, "falta de recursos". Entretanto, sabe-se que os recursos são repassados para a educação baseados em dados enviados ao Minitério da Educação pelos próprios Prefeitos. Portanto, o argumento de "falta de recursos" não se sustenta e torna-se incompreensível se considerarmos que as prefeituras desfurtam de tratamento igualitário no que concerne aos recursos, é mais incompreensivel ainda que municipios consigam pagar bons salários e outros não.
    A sociedade tuntuense precisa compreender que os recursos da educação não são para fazer "caridade" tampouco politicagem, como acontece em Tuntum. A opinião expressa nas entrelinhas do texto acima pelo blogueiro, não é aceitável e nem deve ser levada em conta nas discussões sobre educação. Esta opinião apequena o debte e quer fazer crê que os recursos do setor são para fazer caridade e politicagem como, acontece hoje. Esta afirmação é ratificada pela expressão do blogueiro que diz: "...na sua maioria pais e mães de famílias que poderão ficar desempregados...".

    ResponderExcluir
  2. Continuando...
    Porquanto, considero que a opinião do blogueiro além de tanter descontextualizar o debate é também desleal, uma vez que o referido é professor e tem se colocado contra a categoria que intragra, apenas pra agradar os donos do poder. A seriedade com a educação determina que: "a contratação de professores ocorra somente através de "concurso público", e deve ser somente o número suficiente para atendimento da rede municipal. Segundo parâmetros estabelecidos pelo MEC, o município de Tuntum necessita apenas de 426 professores para funcionamento da rede, mas existem aproximadamente mil, portanto, acima do dobro necessário. Assim sendo, onde os excedentes prestam serviços? Não nos esqueçamos que a Operação Rapina teve como finalidade desmontar esquema de desvios de recursos da EDUCAÇÃO e SAUDE.
    Outra questão que merece ser citada,utilizar força policial para intimidar e reprimir movimento grevista , direito consagrado na Carta Magna do país, é atitude própria de regimes autoritários e que não dispõe de argumentos plausíveis e competência para um debate construtivo.
    Finalmente, os professores tem todo direito de defender condições dignas de subsistência (salários), qualificação profissional, e todo arcabouço necessário ao oferecimento de uma educação de qualidade à população tuntuense.
    Isto sim, é um direito. Tenho dito!!!

    ResponderExcluir
  3. De acordo o levantamento feito pelo sindicato dos servidores municipais de tuntum, juntamente com sua acessoria jurídica, o município precisa de aproximadamente 400 professores. Entretanto, na folha de pagamento do município consta mais de 600 professores contratados. Um número desnecessário, porque em Tuntum a verba do FUNDEB que deveria ser aplicada com responsabilidade na EDUCAÇÃO, é utlizada para fazer política partidária. Investir na geração de emprego e renda nenhum gestor quer, pois é mais cômodo e satisfatória aos seus interesses esse maneira retrógrada de administrar. Confesso que isso é o natural, normal. Diante de todo esse cenário é saber que "renomados" professores de Tuntum são soldados defensores dessas práticas vis em troca de um cargo de confiança ou outro privilégio qualquer. Só quero está vivo para ainda ver esses pseudos-educadores fora das tetas do poder.

    ResponderExcluir
  4. é muito facil falar tudo oq ta escrito nas leis, o dificil é deixar varias pessoas sem ganhar um real se quer no inicio do mês.
    prof.geovany vc tem seu dinheiro todo mês....
    existe tbm muitas pessoas que querem ter. assim como vc,querem colocar comida na mesa para alimentar seus filhos entre muitas coisas...

    a coisa não é bem assim como vc fala não, vc diz que são quase mil professoras, querendo que a coisa pareça exagero quando na verdade é em torno de 600.
    não tiro sua razão de querer ganhar mais,mas tbm tem que colocar-se no lugar de muitos que precisam desse dinheiro...

    não estou aqui para defender ninguém. mas vc como professor e conhecedor das coisas, tem que dar o braço a torcer que aquele que vc cita que foi preso em tal operação, FOI O MELHOR PREFEITO DO MUNICIPIO DE TUNTUM, não é atoa que tem a graça do povo desse municipio há muitos anos.

    um abraço...e pense naqueles que precisam do pão de cada dia.

    ResponderExcluir
  5. CARO DEUSIMAR, FICA A MINHA VERGONHA PESSOAL DE SABER QUE EM TUNTUM É UMA TERRA SEM LEI, ONDE AS PESSOAS SÃO VÍTIMAS DE BANDIDOS... EM TUNTUM NÃO HÁ JUSTIÇA, NÃO HÁ SEGURANÇA, NÃO HÁ VERGONHA DO PODER PÚBLICO! A POLÍCIA É UMA VERGONHA MUNICIPAL! A POLÍTICA É UMA PEDRA NO CAMINHO DOS TUNTUNENSES... PESSOAS TRABALHADORAS ESTÃO MORRENDO POR FALTA DE INICIATIVA NA SEGURANÇA CIVIL E MILITAR! CÉSAR MENEZES DE TERESINA-PI.

    ResponderExcluir
  6. PROFª RAIMUNDA CELESTE22 de junho de 2009 11:38

    CARO PROFESSOR GEOVANY, VC NÃO PENSA EM SEUS COLEGAS DE TRABALHO, POIS MTA GENTE SÓ NÃO PASSA FOME EM NOSSA CIDADE PELO FATO DE TER ESSES CONTRATOS... CONHEÇO UM APESSOA NO MILRÉIS QUE QDO CHEGA AS FÉRIAS, TEM DE LAVAR ROUPA, VENDER DOCES, PEDIR PARA NÃO PASSAR FOME. TODOS TEMOS DIREITO, MAS O MAIOR DE TODOS É TER TRÊS REFEIÇÕES POR DIA. PENSE MAIS NO GERAL E NÃO NO PARTICULAR!

    ResponderExcluir
  7. Caro anônimo, concordo com o professor geovane, e entendo muito bem o que ele escreveu, não sou professor mais vamos analizar o caso, em Tuntum existem pessoas que tem capacidade de dar aula e exercer uma profissão de frofessor, mais acontece que um administrador publico não pode sair contratando pessoas só porque foram aliado ao governo DELE durante a campanha, o concurso publico foi criado exatamente pra isso, para que pessoas não sejam excluidas e as que assumirem o cargo sejam aquelas que melhor pontuação atingirem no concurso, pois mostrou ser o melhor, e quando o blogueiro fala que, " NA SUA MAIORIA PAIS E MÃES PODERAM FICAR DESEMPREGADOS" ele esqueceu que em Tuntum existem profissionais que tem melhor qualificação e estão desmpregado tambem, fica minha pergunta...
    isso é justo blogueiro e caro anonimo?

    ResponderExcluir
  8. O curioso é que os pseudos educadores de Tuntum não abdicam das conquista conseguidas âs duras penas pelos verdadeiros profissionais que militam em favor, não somente de melhoria salarial, mas pela educação em sua plenitude. ABAIXO AOS TRAIDORES!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  9. A verdade é que a eduacação tem sido juntamente com a saúde o mecanismo de cooptação de uma gama de pessoas desqualificadas, acomodadas que não tem coragem de estudar, e por conseguinte, escolhem a via de favores emprego/voto para continuar sendo protagonista dessa novela espúria. Precisa só ver o verdadeiro pânico dessas pessoas devido a aprovação de uma lei que determina a realização de concurso público.
    Vocês tem que aturar mesmo pessoas indesejaveis aos seus olhos sendo aprovados no último concurso, ou de candidatos de outros municípios como o Agostinho do Creoli do Sinhá, município de Graça Aranha, do pessoal de São José dos Basílios, ou mesmo daquela senhora do povoado Mangaba nos confis do município de São Domingos. Felizmente, está cada vez mais dificil de fraudar os certames. Só sabem alegar que trabalham muito e não tem tempo de estudar, cmo se quem foi aprovado não tinha o que fazer, e desse modo vão continuar sendo massa de maonobra, boneco mamolengo da "onipotente" familia CUNHA, ambos a vergonha da história política de Tuntum.

    ResponderExcluir
  10. Olá!

    Leia matéria sobre a luta dos profissionais da educação no Estado do Ceará, agora em janeiro de 2010, onde são relacionadas às principais maldades que precisam ser vencidas. Ipaumirim já votou pela greve, Ubajara em estado de greve, Fortaleza em Estado de greve. Você ainda pode conferir vídeo sobre a greve histórica do interior e capital do Ceará no ano de 2009. Veja, divulgue e comente. A LUTA HOJE DEVE ASSUMIR O STATUS DE UMA VERDADEIRA CRUZADA! Bastando clicar em:
    www.valdecyalves.blogspot.com

    ResponderExcluir