quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

Virada: Feliz 2010!

Paz, Amor, Felicidade, Sucesso, ou seja, DEUS na sua Vida!




quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Política: Câmara aprova projeto de plano de cargos, careira e remunerações dos servidores públicos municipal.

Numa sessão extraordinária e em regime de urgência urgentíssima, a Câmara Municipal aprovou o Projeto de Lei, nº 843/2009, do Chefe do Executivo, que cria o plano de cargos, carreiras e remunerações. Estiveram presentes somente sete vereadores, já que Jesimiel Alexandre Costa trabalhando distante não pode comparecer imediatamente e Jaidran Fernandes Brito, que por mais uma vez deixou de comparecer em mais um debate polêmico. As duas comissões de Constituição e Justiça e Orçamento, Finanças e Gestão deram parecer favorável ao projeto.
Somente a vereadora Arteniza Kelly foi contrária à sua aprovação alegando não concordar com alguns itens inseridos em seu corpo. O vereador Magno Melo que foi também a tribuna defender a aprovação disse que alguns municípios vizinhos de Tuntum pagam um piso maior, porem a carga horária é de 40 horas trabalhadas, enquanto que no município tuntuense a carga é de 20 horas.
A representante do Sindsert (Sindicato dos profissionais em Educação de Tuntum), Antônia Morais disse que realmente municípios vizinhos pagam um piso melhor que Tuntum. Já o secretário de Educação, Antonio dos Reis Pereira afirmou que não só era um momento negativo, mas sim um ponto de partida e que ele não vai se perpetuar. O secretário acrescentou que o plano foi elaborado de forma rápida porque tinha que ser votado às pressas antes da conclusão de 2009. Conforme a mensagem do secretário a aprovação do plano é um bom começo para a categoria.

Dor: tuntuense morre vítima de 'câncer' em São Paulo

As famílias Ribeiro e Alves estão de luto pela perda de John Chritiam Ribeiro Alves, de 18 anos, 'vítima de câncer', em São Paulo. O jovem faleceu na segunda-feira no Hospital das Clínicas depois de um incansável ano de luta contra a doença. Os primeiros sintomas apareceram em dezembro do ano passado quando ele passou a sentir se mal. Os pais, Cleovan Alves da Silva e Ionar Ribeiro Alves buscaram todos os recursos possíveis da medicina para salvar a vida do filho. Diante da impossibilidade financeira venderam o que tinham para encontrarem a cura do câncer que se iniciou na cintura pélvica (bacia) de Jonh e terminou comprometendo parte de seu corpo.
Mesmo diante da extremidade do caso o tratamento no Hospital das clínicas estava sendo promissor, contou muito triste o seu avô. Depois de passar por sessões de quimioterapia John Chrytiam passou a sentir se bem ao ponto de receber alta da médica que lhe acompanhava, sendo orientado a fazer o tratamento de fisioterapia. De São Paulo, John se deslocou a Brasília onde iniciou as sessões de fisioterapia. Lá contraiu uma forte gripe que deu iniciou a uma broco pneumonia lhe causando uma forte infecção. ‘ O sistema imunológico (defesa do corpo) dele ficou ruim devido ao tratamento que sofreu, quando vieram esses dois problemas ele não resistiu’, falou o pai.
O corpo que chegou hoje está sendo velado na casa de seus avós maternos, á rua 12 de Setembro. Eu estive lá pela manhã e vi um semblante de otimismo e tranqüilidade por parte dos pais de John que eram confortados pelos membros da Igreja de Cristo, da qual o filho se congregava. No mesmo horário um apóstolo da igreja de Brasília, que veio junto usou palavras sábias da Bíblia para fazer uma profunda reflexão e dizer com segurança que John está em lugar bem melhor, pois ele estava preparado para enfrentar a morte. O sepultamento será realizado agora à tarde com uma ‘caminhada’ de louvor até ao cemitério.

sábado, 26 de dezembro de 2009

A CONSTRUÇÃO DA BARRAGEM DO FLORES (1982-1987)

Os estudos e levantamentos para a execução do Projeto Flores foram intensificados na segunda metade da década de 1970, pela empresa Geotécnica S/A, contratada pelo DNOS (Departamento Nacional de Obras e Saneamento), órgão vinculado a SUDENE (Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste). A Empresa, especialista em estudos de solo, cartografia, sondagens e trabalhos especiais de engenharia, além de inspecionar e fazer o levantamento da área que seria influenciada pela construção da Barragem do Flores, também ficou com a incumbência de cadastrar todas as propriedades, bem como as benfeitorias agrícolas, edificações, etc., que se situavam na área onde viria ser o reservatório da Barragem para que fossem indenizadas. Além do gerenciamento do projeto, uma outra atribuição dessa empresa seria prestar informações ao seu contratante (DNOS), fazendo relatórios das etapas que envolviam o processo de realização da obra e também esclarecer e orientar os moradores da região sobre todos os aspectos do empreendimento. De acordo o Plano Geral do Mearim e Afluentes, a Barragem do rio Flores fazia parte de um complexo de umas cinco barragens projetadas para a contenção das cheias, mas só foi construída esta. As outras deveriam ser construídas nos rios Mearim e Corda. Essas foram projetadas pela Geotécnica S/A, em 1978, período em que houve uma equipe projetando e escolhendo os eixos de viabilidade nos seguintes lugarejos: Cazuza e Marianópoles, a montante de Pedreiras no rio Mearim. Para a do Flores, o local da construção seria a confluência deste rio com o riacho Preguiça”. Com relação ao trabalho efetivo de construção da Barragem do Flores, a mobilização das primeiras equipes para as obras começou com a implantação dos canteiros de obras, onde a construtora era a CBPO (Companhia Brasileira de Projetos e Obras) e a consultora era a Geotécnica S/A. Os estudos de viabilidade (projetos de campo) deram-se de 1974 a 1978, fazendo estudo dos relevos, hidrológicos e geotécnicos (solos) áreas de empréstimo (jazidas) acessos pessoal e logístico. Segundo matéria publicada em 14 de abril de1995, o jornal Imparcial afirmara que a Barragem custou aos cofres públicos cerca de R$ 10 milhões, valor questionável. A obra deveria empregar mais de 3000 empregos diretos, mas não podemos precisar a quantidade de pessoas que trabalharam na obra que teve início em 1982 e fora inaugurado em 1987. Após poucos anos da inauguração fora abandonada devido ao corte de verbas do Governo Federal, restando no lugar um imenso lago de 42 km de extensão.

Visão do Barramento do Flores

De acordo a Secretaria de Desenvolvimento Rural e Irrigação, a Barragem do Flores apresentava as seguintes características: “Com um aterro de 2,5 milhões de metros cúbicos, a Barragem possui uma crista de 830 m, que possibilita o represamento de quase dois bilhões de metros cúbicos de água, formando um lago de 16 km² na cota máxima de 76 m. de altura – a ser atingida após quatro anos de fechamento de suas comportas, proporcionando uma vazão líquida de 5,3 m³/s”.

Casa de Comando da Barragem do Flores Os objetivos do projeto em questão eram variados, conforme apontamos anteriormente: evitar as enchentes nas cidades do vale do Mearim; favorecer o desenvolvimento econômico da região sob influência do Flores, com programas de irrigação e estímulo à piscicultura; possível possibilidade para o aproveitamento na produção de eletricidade. Em fim, tudo isso criou muita expectativa e esperança na população, porém na medida em que ia se dando o desfecho com a conclusão da obra, toda a esperança daquela população da área afetada se transformaria em triste desilusão.
Imagem externa das comportas.

Texto adaptado de - A Barragem do rio Flores: Esperança e desilusão para o município de Tuntum-MA.
Por Gean Carlos Gonçalves

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

‘Nova’Lei Orgânica é promulgada.

Depois de cerca de cinco meses de estudos, discussões e debates a ‘nova’ Lei Orgânica do município de Tuntum foi promulgada na manha de hoje em sessão solene na Câmara. Dos nove vereadores somente o relator Jaidran Brito deixou de comparecer ao ato.
O presidente Manoel Paca foi o primeiro a usar a tribuna para expor suas posições quanto à conclusão dos trabalhos, que segundo ele é um momento ímpar que a casa vivendo em comparação com legislaturas anteriores. Os vereadores Orleans Moreira, Marcos Cunha, Zé do Feliciano, Arteniza Kelly, Leda Bílio, Magno Melo e Jesmiel Costa também fizeram suas considerações com relação aos trabalhos do legislativo.
A ‘nova’ Lei Orgânica recebeu 35 emendas, 18 de autoria do vereador Manoel Paca, 12 da vereadora Leda Bílio, quatro do vereador Magno Melo e uma do vereador Orleans Moreira. A primeira Lei Orgânica do município foi promulgada em 05 de abril de 1990, na época ocupava a presidência o vereador Jairo Brito, pai do vereador Jaidran Brito, relator do anteprojeto que deu origem a atual lei. Da atual legislatura apenas Orleans Moreira e José Ribamar Costa (Zé do Feliciano) participaram da constituição da primeira. Encerrando o bom período legislativo e em comemoração a promulgação da ‘nova’ Lei Municipal, a Câmara oferece hoje à noite, na churrascaria Dona Lia, no Piscinão, um jantar para oitenta convidados.



quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

NOTAS

FUTEBOL


Atalanta vence o primeiro jogo da final do campeonato tuntuense de futebol. O jogo terminou agora pouco, o time de origem italiana abriu o marcador por volta dos 15 minutos por intermédio de Frank cobrando pênalti sofrido por ele mesmo. O Atalanta perdeu várias oportunidades ainda no primeiro tempo. Por volta dos trinta minutos o São Raimundo começou a melhorar de rendimento e quase empatava. No segundo tempo o Atalanta caiu de produção e o São Raimundo quase aproveitou em dois bons momentos. Em um deles o centroavante Mutheco perdeu de cara com o goleiro Alan. Por volta dos vinte minutos depois de uma falha coletiva entre o zagueiro Lidioglei e o goleiro Alan, o baixinho Romarinho empatou para o delírio da torcida. A alegria durou pouco, numa arrancada do meio campo, Reges chutou forte de fora da área e o goleiro Sólon aceitou de graça. O próximo jogo da final é sábado as 19:00h.

CÉIA DE NATAL

A prefeitura de tuntum acabou de realizar sua tradicional ceia de natal. O encontro que reuniu os servidores de todas as secretarias e órgãos ligados ao município reuniu quase mil pessoas. Cada servidor contribuiu com um prato antecipadamente escolhido por ele. A prefeitura doou cerca de cinqüenta caixas de cervejas. A Arvet (Associação dos Veteranos de Tuntum) foi o local do encontro. O cantor Mizael Teixeira, da banda Forró Cristal fez a animação. O comparecimento em massa deixou a avenida frei Carlos congestionada de carros e motos.

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Política: a mágica das mensagens e dos cartões de natal.

Recebi recentemente um belo cartão de natal do deputado Rigo Teles. Na foto, ele, sua esposa e seus filhos, nada de mais. Mas é impressionante o quanto esses cartões de natal e as mensagens divulgadas em datas comemorativas (dia das mães) fazem efeito, é nada mais que incrível. Não que o nobre deputado desmereça o apoio e o voto dos tuntuenses, ou que ele não tenha competência para está na assembléia como nosso legítimo representante, não é isso. Agora será que esse povo não merecia uma atenção mais especial, já que a missão de um deputado não se limita somente a isso?
Ontem encontrei um grande simpatizante do deputado, eu perguntei a ele quantos projetos até agora o deputado Rigo havia encaminhado ao município. Rapidamente ele respondeu: nenhum, até agora nenhum. ’Teve somente uma viatura da polícia, uma blazer, que ele pediu ao governo na época que mandasse pra cá’, disse o eleitor e simpatizante. Falei a ele que Tuntum merecia muito mais a atenção do deputado, pois a população tem suas carências e espera respostas significativas. Sem titubear ele disse que o mesmo não pode elaborar projetos que beneficie a população ou emendas junto ao governo porque os gestores não são seus aliados. Claro, não me convenceu e nem vai convencer você. O povo que o elegeu está acima de qualquer intriga ou paixão política. Contrariando o suposto pensamento do deputado, a título de exemplo quero citar o nome do ex-prefeito Pires Léda, hoje exercendo função estratégica na secretária de Infra-estrutura, que recentemente conseguiu alguns projetos para o município. Creio que ele está fazendo a coisa correta, não? Ou ele deveria conseguir esses recursos para outro município?
Mas eu já soube da notícia de que o nobre deputado vai fazer uma outra ação além dos cartões e das mensagens, vai fazer um sorteio de ferros elétricos, uns dois fogões e outros objetos domésticos, tudo pra agradar a consciência dos inconscientes. Não seria melhor o nobre deputado fazer uma política mais satisfatória perante seus eleitores com a recuperação de estradas, construção de bons prédios escolares, aquisição de um hospital municipal, que no momento é a maior carência desse município, e outros projetos de relevância social. Faço votos que o estimado e ‘adorado’ deputado pelo povo tuntuense seja eleito e não se limite mais só aos cartões e as mensagens de natal, pois o povo de Tuntum vale mais que isso.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

NOTAS

CÂMARA

Agora pouco aconteceu a votação e aprovação em 2º turno do anteprojeto da Lei Orgânica do Município. A nova lei municipal sofreu 35 emendas, 18 do vereador e presidente Manoel Paca, 12 da vereadora Leda Bílio, 04 do vereador Magno Melo e uma do vereador Orleans Moreira. A promulgação está marcada para a próxima sessão, segunda-feira, dia 21. Durante a noite, na churrascaria Tia Lia, a casa oferecerá um jantar para oitenta convidados.
Ainda na sessão de hoje a Câmara aprovou o Projeto de Lei, nº 841, do chefe do executivo que trata da criação do Conselho Municipal de Política Cultural.


FUTEBOL

Hoje começa os preparativos de Atalanta e São Raimundo para os dois jogos da final do campeonato tuntuense. O Atalanta treinará no CT frei Ernesto Merelli, próximo a Vila Mata. A equipe do São Raimundo usará o estádio Temão. No primeiro jogo, quarta-feira, as 18:00h, o time do santo entrará em campo sem os seus dois principais jogadores, André e Henrique, ambos expulsos na última partida contra o Ipu-Irú.


CONCURSO

Transcorreu com a maior normalidade a realização do concurso público municipal. A cidade no dia de ontem ganhou um maior fluxo de pessoas que circulavam aos seus locais de prova. Mais de cinco mil pessoas estavam inscritas para o certame, cerca de 40% eram de cidades circunvizinhas. O concurso foi realizado pela Consep do Estado do Piauí.

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Os Gonzagas da Cunha na política de Tuntum.


Emigrados do município de Mirador, os Gonzagas da Cunha se estabeleceram no início dos anos 1950 em Santa Filomena, capitaneados por Luís Gonzaga da Cunha, um dos dez filhos da matriarca Leocádia Gonzaga da Cunha, a Déa, viúva de Raimundo Joaquim da Cunha. Eram irmãos de LG*: João de Deus, o mais velho, Antônio Joaquim, Carlos Augusto (o Carlito), Hermes, Artur, Raimundo, e as mulheres, Maria Helena, Magnólia e Maria Augusta.A essa época Santa Filomena, assim como Tuntum, era um promissor povoado pertencente ao município de Presidente Dutra. Então, não tardou para que essa emblemática família ocupasse lugar de destaque naquele lugar, principalmente no setor do comércio varejista e também na compra e venda de produtos agrícolas dos lavradores dos arredores, tais como: algodão, arroz, milho, feijão e etc. Dessa forma, consequentemente, também passaram a ocupar espaço na política local. Já nas eleições de 1955 LG fora eleito para o cargo de vereador pelo município de Presidente Dutra. Nessa época, sua família vivia em plena harmonia com os Arapuás – clã dos pioneiros do povoamento de Santa Filomena, inclusive unindo-se através laços de matrimônio. Todavia, mais tarde, quebrara-se o cristal da paz e harmonia que refletia entre ambas as famílias, devido à fatídica morte de Abdon Costa por homens da confiança dos Gonzagas, fato que mudaria para sempre suas trajetórias nessa região. Deste modo, a boa convivência só habitaria na memória daqueles que a protagonizaram em seus tempos áureos. A partir daí, os Gonzagas da Cunha bateriam em retirada do lugar que estavam tão bem adaptados, inclusive acumulando muitas posses. Por intermédio do líder político Ariston Leda, que já havia ocupado o cargo de prefeito de Presidente Dutra, e que a época do episódio de Santa Filomena estava em plena campanha eleitoral (da primeira eleição para prefeito do município em 1958), tratou de garantir o apoio dessa importante família, trazendo-a para morar aqui em Tuntum. LG por se empenhar bastante na campanha e devido a sua inclinação para a política, conquistou a confiança de Ariston, conseguindo sua indicação para sucedê-lo na chefia do Executivo (1964-1969). Uma vez no poder, e mais tarde com vitória de José Sarney para o governo do Maranhão (1965), LG se tornaria a maior liderança política de Tuntum, pois não somente teria o apoio do governo estadual, mas porque com a derrocada do grupo de Newton Belo, Edésio Gomes Fialho, principal adversário, não conseguiria subsistir na política local. Assim, LG pôde “fazer” o seu sucessor, José Uruçu (1969-1973), que por sua vez, ainda no exercício do mandato, romperia com o antecessor. Na eleição de 1972 os Gonzagas amargariam a primeira derrota nas urnas, visto que, a chapa vencida era composta com o nome de Antônio Joaquim da Cunha para candidato a vice-prefeito e José Justino e Silva, o “Zé da Mata” para prefeito. Nas eleições de 1976 os Gonzagas da Cunha retomariam o poder na pessoa de Luís Coelho Batista, o “Luisão”, casado com Maria Augusta uma das irmãs de LG, que por sua vez, não logrou êxito nas eleições de 1982, pois o seu candidato Bento Teixeira não obteve os votos esperados na disputa com Hélio Araújo, o “Cobra Mansa”, o mesmo que Luisão derrotara na campanha anterior. Com a guinada de Hélio ao poder, os Gonzagas da Cunha só retornariam ao controle político do município com a eleição de Cleomar Tema Carvalho Cunha, o Tema, político que mais ocupou o cargo de prefeito na história do município. Sobrinho de LG e filho do casal Astolfo Seabra (prefeito interino em 1959) e Maria Helena, Tema acumula três mandatos de quatro anos (1993-1996, 2001-2004, neste mesmo ano sendo reeleito ficando no cargo até 2008). Além disso, Tema conseguiu em 1996 fazer seu sucessor, Antônio Pires Neto, o Pires Léda (sobrinho do velho Ariston Leda) e mais recentemente, logrou triunfo no certame municipal, com a vitória de seu primo Francisco das Chagas Milhomem da Cunha, o Chico Cunha, (filho do já falecido Antônio Joaquim) frente ao dissidente Pires Léda (substituido de última hora pela irmã Gilza Léda, devido a impossibilidade de registro de candidatura pela Justiça Eleitoral). Garantindo desta maneira, se tudo ocorrer de acordo com o previsto duas décadas de hegemonia temista, ou como o leitor preferir, dos Gonzagas da Cunha. Amados por uns, odiados por outros... Porém uma coisa é inegável – a história política de Tuntum se confunde com a história dessa família.


Por Gean Carlos Gonçalves

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Prefeitura desiste de construir campo de futebol em local planejado


A gestão municipal está desistindo de construir um campo de futebol no Bairro Luisão como havia anunciado no início do mês passado. Os motivos são os embaraços do direito de propriedade do local entre a própria prefeitura e os herdeiros do ex-vereador Carlos Augusto da Cunha. A atual gestão não tinha dúvidas de que a área, hoje campo um de futebol improvisado (foto), pertencia ao município desde o ano de 2000, mas os herdeiros de Carlito Cunha alegam que o pagamento não foi devidamente afetuado pelo município.
Este blog conversou recentemente com o vereador Marcos Cunha, filho de Carlito Cunha, que disse ter em seu poder um cheque emitido pelo município que não fora compensado na época. Marcos disse que a família não pode sofrer tamanho prejuízo com a perda do terreno. A família está pedindo pela área 100 mil reais, quantia considerada muito alta pelo município se comparado com os padrões de infra-estrutura que terá o campo.
Diante do impasse o prefeito Chico Cunha optou mudar de local e fazer a construção por trás do residencial desembargador Cleones Cunha, próximo ao cemitério da Arueira, que também fica ao lado do bairro Luisão. Além desse campo que terá arquibancada, banheiros e vestiários, a prefeitura pretende construir um no Bairro Vila Bento, o Bentão, outro no povoado Belém e possivelmente mais um no povoado Ipu-Iru.

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Orçamento de 2010 é aprovado


O orçamento de 2010 encaminhado há dias pelo Poder Executivo para ser apreciado e votado foi aprovado na manhã de hoje (28ª sessão ordinária). O presidente decidiu colocá-lo na pauta do dia, que estava vaga, achando que os debates poderiam ser estendidos, porém o fato não veio acontecer, nenhum dos parlamentarem quiseram questionar o projeto de lei.
A pauta do dia ainda foi dividida entre uma emenda modificativa do anteprojeto da Lei Orgânica de autoria do vereador Orleans Moreira. Moreira com sua emenda faz ratificar o artigo 41 da Constituição Federal que garante a estabilidade aos funcionários públicos municipais, não inserida na atual Lei Orgânica.
O presidente Manoel Paca confirmou na sessão que o segundo turno de votações do anteprojeto da Lei Orgânica ocorrerá dia 14 e sua promulgação dia 21. O presidente disse que para a solenidade irá convidar toda a população e autoridades do município.

domingo, 6 de dezembro de 2009

Reveillon em Tuntum











A prefeitura de Tuntum começou a divulgar nesse fim de semana a realização do maior e mais tradicional Reveillon em praça pública da região, que a exemplo do ano passado será realizado no Balneário da Tiúba. A banda escolhida, Free Lance, é reconhecida, no momento, como a melhor banda de São Luís, capital. Hoje pela manhã estive conversando com o prefeito e ele me disse que para trazer uma banda de expressão nacional, como muitos gostariam, iria sair muito caro para os cofres do município que ainda passa por dificuldades financeiras.
‘Além do baile a prefeitura irá fazer uma bonita queima de fogos, um show piroténico, que com certeza irá surpreender muita gente que for ao balneário’ disse o prefeito Chico Cunha. A permanência do ‘Piscinão’ como o local da comemoração, e não a Praça São Frâncico, é devido ao amplo espaço oferecido e aos bons serviços de bares, lanchonetes e churrascarias, além da beleza artificial que oferece o balneário.

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

A Chacina dos Coelho no povoado Arroz

A Chacina dos Coelho no povoado Arroz foi o acontecimento mais marcante de nossa história local que serviu para cimentar a imagem que fazem da Mata do Japão e de nosso querido Sertão (As Areias), lugares de infeliz reputação aos olhos de conterrâneos de outras regiões do estado, principalmente, os da Capital e os do sul-maranhense (parte mais antiga em sua formação), como assinala o Profº Fonseca Neto, em sua obra de fôlego, intitulada – História das Passagens, em que trata da formação histórica de toda a região do antigo Pastos Bons:“Deve-se consignar que, por muito tempo, as populações dos sertões maranhenses de colonização mais antiga, viam a região dos hoje municípios de São Domingos, Presidente Dutra, Tuntum, Dom Pedro e adjacências, como a “Mata do Japão”, significando um lugar de difícil acessibilidade, fixação cultural pífia, amoldamento social frouxo, lugar de forasteiros etc.”. A caracterização “de difícil acessibilidade” é pertinente, devido à mata densa existente à época do início do povoamento que talvez justifique o “amoldamento social frouxo”, nessa perspectiva sim. Quanto ao conceito de cultura em “fixação cultural pífia”, nos leva a indagar: Qual o conceito de cultura das “populações dos sertões maranhenses de colonização mais antiga”? Entretanto, o discurso produzido sobre determinados fatos serviram ou servem para justificar tal (pre)conceito, entre os quais destacamos o fatídico caso dos Coelhos de 1958. Os Coelho, tradicional família do sul do Maranhão (Pastos Bons, Riachão, Carolina, etc.), foi bastante perseguida por estabelecer vínculo de amizade com Leão Leda, no evento que ficou conhecido como A Guerra do Leda*, sendo o clã obrigado a sair em retirada em busca de paz e tranqüilidade. Parte dela chegou a Tuntum ainda em 1910, capitaniada por Luís Coelho. Seus filhos logo que aqui chegaram começaram a se destacar. A indústria, o comércio e pecuária foram os setores de sua especialidade, tendo como expoentes - o Sr. Frederico Coelho, dono da primeira máquina de beneficiar algodão; Alípio, comerciante, que também exercer cargo de vereador quando Tuntum ainda pertencia a Presidente Dutra (1951-1955), e; José, fazendeiro, cuja propriedade estava situada no povoado Arroz, onde também residia. Este último dono de honrosa reputação teve com sua esposa Izidra vários filhos, dentre os quais uma bela jovem de nome Maria, que atendia pela alcunha Maruzinha. Esta adorável de boa estirpe se enamorou por um “forasteiro” conhecido por João Bastos, cuja reputação lhe garantiu a reprovação da família da moça. Inconformado com a rejeição João raptou Maruzinha e obrigou o Juiz de Paz de Tuntum a casá-los. Consumado o matrimônio, registra a literatura oral que o esposo inicialmente, demonstrava muito afeto para com a amada. Porém, após algum tempo João teve que fazer uma viajem para o Sertão, pois um de seus irmãos havia sido assassinado e que competia-lhe a missão vingá-lo. Em sua ausência Maruzinha começou a freqüentar festas, fincando mal reputada ante a sociedade, o que chegou ao conhecimento de João Bastos. Depois de algum tempo Maruzinha, temendo o pior, pois conhecia bem a índole de seu esposo, resolveu ir ao encontro do marido. A partir de então, se iniciaria uma triste e dolosa convivência, visto que João sentia-se magoado e desonrado em função dos boatos acerca da conduta de sua mulher. Passado algum tempo, Maruzinha que fora submetida à duras penas, resolveu deixar João e retornar para o seio de sua família. Entãos partiu às escondidas, com medo de represália, entretanto, cometeu talvez o pior de todos os seus erros: furtou as armas do marido e as levou consigo. Embriagado de ira com a ação de Maruzinha, João Bastos começou a arquitetar um plano de vingança contra ex-mulher e sua família. Assim, convocou o seu irmão Dom Ratinho e o velho Pedro Feiticeiro, companheiros de outras empreitadas sinistras. Traçado o roteiro da “expedição”, João Bastos ainda ousou em enviar comunicados de sua “visita” à família Coelho. Não acreditando, nessa possibilidade os Coelhos de nada fizeram para se protegerem. No limiar da noite de 18 de julho de 1958, os homicidas invadiram a residência de José Coelho e o assassinaram, juntamente com um de seus filhos e também Maruzinha, a qual o próprio João Bastos se encarregou de lhe imputar os mais agonizantes e brutais suplícios e consumido pelo ódio se mostrou insensível aos apelos de sua musa de outrora. A sogra fora poupada, para que criasse o pequeno filho, que o próprio João Bastos arremessou pela janela, este vive na cidade de Imperatriz e é deficiente físico devido à ação do pai. João Coelho, irmão de Maruzinha, conseguiu fugir, mas além das perdas de seus familiares, teve que adiar o seu casamento em mais de um ano, festa que estava marcada para o dia seguinte. Uma noite de terror! Sua repercussão aterrorizou e comoveu todo Maranhão. Em Tuntum, enquanto uns choravam o ocorrido, outros se mobilizavam para lavar a honra dos respeitáveis e valorosos Coelhos. Homens foram arregimentados, aproximadamente cem. E assim começou uma implacável caçada aos facínoras. Trama digna de produção cinematográfica, vários foram os embates com os bandidos. Na Mucunã, próximo a São José dos Basílios, o Pedro Feiticeiro foi preso e conduzido amarrado à Cadeia de Tuntum, sendo executado em poucos dias por parentes das vítimas. João Bastos e Dom Ratinho fugiram para a região do Mearim, passando pelo Olho d’água do Tolentino, Centro dos Doidos, Pilões, Marianópoles, Santa Vitória, onde moravam seu pais. Foram cercados em Barro Branco, município de Barra do Corda, onde sucumbiu Dom Ratinho e que João Bastos ficou bastante ferido, porém, ainda assim, bateu em retirada para o Sertão tuntuense, porém no povoado São Joaquim dos Melos foi aprisionado, terminando aí a caçada. Após receber muitos tiros chegaria ao fim à trajetória de um personagem controverso de nossa história local, pois há que defenda que João Bastos depois de tanto se esquivar dos cercos merecia escapar ao final com vida. O mesmo é sepultado no lugarejo Corrente, a uns três quilômetros de São Joaquim dos Melos. Evidentemente, o relato acima se trata de uma síntese, pois não temos a intenção de sermos detalhistas, até por que isso requer um maior rigor, uma investigação mais criteriosa. Entretanto, o nosso objetivo é demonstrar que a representação de um fato pode servir de argumento para justificar os (pré) conceitos e os juízos de valor. De modo algum, quero advogar que nosso lugar é menos violento do que outros, ou que não ocorrem fatos abomináveis, mesmo por que não podemos omitir as execuções sumárias em logradouros públicos de nossa cidade nos últimos anos, o que inclusive mobilizou a população, em prol de uma segurança pública eficiente, resultado num maior efetivo policial, mas sem a eficácia esperada. Por outro lado, cabe aqui afirmar que tal aspecto não é exclusividade nossa. A violência é inerente à natureza humana e mostra a sua pior face onde não há educação de qualidade, enfim, inoperância do Estado.
Por Gean Carlos

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

EDUCAÇÃO: Tuntum ganhará cinco novas escolas


A educação tuntuense está mais fortificada depois que o Ministério da Educação e Cultura (MEC) confirmou a liberação de cinco convênios para a construção de novas unidades escolares no município, que ainda é carente de bons centros escolares, principalmente os locais mais distantes da zona rural, como por exemplo, o povoado Santa Rosa que fica há mais de 150 quilômetros da sede do município.
As novas unidades escolares irão contemplar a educação dos seguintes povoados: Santa Rosa, Javém, São Joaquim dos Melos, São Bento e Cigana. Todos esses povoados, mesmo com pouca infra-estrutura, já dispõem de uma pequena escola que durante longos anos vem garantindo a formação escolar de centenas de sertanejos. A idéia central do gestor municipal quando encaminhou os projetos, via secretária de Educação, era construir unidades mais espaçosas que garantisse mais conforto e que ofertasse um número maior de vagas.
Das cinco unidades, três terão seis salas de aulas, as outras quatro salas. Todas terão um padrão de construção e qualidade definido pelo MEC, que além das salas terão hall., cantina, biblioteca e secretária. Os recursos são da ordem aproximada de 3,8 milhão (três milhões e oitocentos mil reais). A execução dos trabalhos de construção só se iniciará no próximo ano. Para o prefeito Chico Cunha essa foi mais uma vitória da educação.