segunda-feira, 15 de agosto de 2011

EUT - Estados Unidos de Tuntum foi apenas um sonho!

 
Prezado, estou lançando em setembro próximo no auditório da UEA - Universidade estadual da Amazônia um livro de crônicas e compartilho minhas inspirações  que, guiado pelo Grande Arquiteto do Universo escrevi aqui na bela Tabatinga território  aonde as águas nascem e adentram esse continente verde chamado de Amazônia, terra dos índios TIKUNAS entre o Peru e a Colômbia, as margens do rio Solimões nessa aconchegante tríplice fronteira.  Em anexo estou te enviando a capa do livro, uma foto  e uma das crônicas "Hilária" onde cito algumas personagem de Tuntum que tenho muito apreço.

  

O texto adiante é de uma das crônicas que o nosso nobre conterrâneo José Remy da Mata me enviou nesses últimos dois dias extraído de seu livro que será lançado já agora em setembro. Honra-me muito poder antecipar aos visitantes do blog essa hilariante crônica, como ele próprio descreve sobre Tuntum e seus personagens. Curta e se ‘delicie’ com a cômica narrativa do nosso promissor escritor.

   
EUT – ESTADOS UNIDOS DE TUNTUM FOI APENAS UM SONHO!
José Remy e Paulo Moreira

Outro dia sonhei que não havia perdido o bom humor, apesar das crises que
nos circundam e, nesse devaneio, imaginei que deveriam me conceder o direito
de transformar o nosso “universozinho”. E iniciei dando trato à bola.
Primeiro, declarando, nem sei com quais poderes, a independência do
município de Tuntum, que, passaria a ser uma Republica livre, soberana,
libertária, anárquica, porém, - quanta contradição! – absolutamente
antidemocrática... E teria como Presidente meu compadre James Batista. E o
Quinzim do Carlito seria o primeiro Ministro.
E pode nascer um País com tanta contradição?
Trabalharíamos, enquanto poder público, somente nos feriados, visando a não
cansar os servidores, mas, na outra ponta, infernizar a vida dos pseudo-
contribuintes. Nos dias úteis, festejaríamos, celebraríamos a vida, na sua
intensidade e força.
Os “Condôminos” do novo país fingiam que recolheria os tributos para o
tesouro Republicano e os servidores fantasiariam em cima da labuta.
O carnaval seria exercitado todos os dias do ano, desde que ninguém
estivesse dançando forró, ou em algum clube balançando o esqueleto; pausa
só para os momentos de futebol, outros esportes, e para o jogo de sinuca na
casa do Edino desde que o Ligon e o Expedito tivesse jogando, passeios de
bicicleta e os banhos no piscinão e no nosso mar do flores.
No verão, a produtividade na ceara do ócio tenderia a expandir-se por conta
dos horários de recreio, distrações, divertimento e entretenimento. Afinal, será
proibido proibir a exclusividade ao descanso, tudo porque emergem as praias
do rio flores e essas dádivas da natureza precisam ser valorizadas
Bares da vida teriam que ter na parede um alvará com uma foto da citonía. O
BAR DO CHICO ANDRADE seria transformado no diligente Congresso
Nacional, regado a chope nacional, cachaça do Manoel da Mata, e amargosa
a predileta do Dalvino, a Câmara Federal seria instalada pelo seu presidente
o JJ (João José) com direito ao sumário fuzilante ou apedrejamento (Tão em
voga no Irã) contra aqueles que democraticamente se aventurasse a discorda
do Chico Andrade Presidente do Congresso “O poder dominante”, meu amigo
e irmão, cavaleiro do oriente e do ocidente, Grande inspetor litúrgico
Príncipe do Real Segredo e Soberano Grão Mestre de nossa instituição
secreta, as Forças Ocultas (FO).
A impressa seria valorizada desde que buscasse a verdade absoluta, e não
discordasse do Deuzimar Lobão diretor dos poderes prostituídos, digo
constituídos e os blogueiros teriam que publicar qualquer noticia sem medo de
retaliação ou cano de três oitão.
Órgãos seriam criados à imagem e semelhança da vida neste torrão que fica
no coração do Maranhão, capitania hereditária da família da Vanda carabina
Roseana Sarney Governadora Mor, filha de El BIGODON.
O banco federal charmar-se-ia, por exemplo, banco de desenvolvimento de
Tuntum, com o nome de fantasia BANDET e o seu presidente seria o Dr.
Manoel do Faustino pós graduado em Harvard EUA - meu tio.
País que se preza, Tuntum, a Republica antidemocrática, libertária e anárquica,
teria forçosamente, a sua companhia de aviação. Nasceria, portanto pelas
mãos do Brigadeiro do AR Idaspe Sebastião a ARET - Aerolineas de Tuntum.
A NUCLET (empresa de energia atômica), dirigida pelo General de Exercito Zé
Brugueia, nasceria para dar apoio às iniciativas e às demandas por luz, grande
insumo para assegurar a sustentação do nosso crescimento econômico, haja
vista a necessidade de suprir as carências de todo um mundo moderno,
vizinhos ou não, principalmente apoiar as discotecas do mil reis até o arará, e
todos os bares para funcionar teriam que ter o alvará com o rosto em alto
relevo do meu querido saudoso Raimundinho juá, - “sempre que eu chegava
de férias em Tuntum recebia uma intimação do Raimundinho para comparecer
em seu bar e pagar uma rodada, quando eu adentrava o recinto ele ia logo
dizendo: Cabra tu chegar aqui e não vem me visitar, tu sabe que eu sou o
homem mais valente de Tuntum, olha! Luiz Gonzaga, Ariston, Edésio, Luizão,
Bento Teixeira, João Batista, Sargento Macedo, Pedra firmada, todos eles tinha
medo de mim e duzentos corno não me arrodeia! O meu amigo foi sempre
capitaneada pelo seu mais fervoroso discípulo, o Marco Pai d’egua ” isso
chancelado pelo eminente auditor fiscal o Massá.
Tuntum, ante o domínio do átomo, possuindo armas nucleares sob o comando
do General de Brigada, Francisco Francês de Deus filho do embaixador
Antonio Cego, aumentaria o seu poder, ante ao temor que inspiraria e adquiriria
prestigio em toda região do alto e médio mearim, pois nossas ogivas modulares
se movimentariam numa velocidade tal, que iria preocupar aqueles países do
alto sertão principalmente a barriguda e a sua dama de ferro a Maroca e,
principalmente se sua seleção de futebol vencesse a seleção Tuntuense
comandada pelo professor Aquiles e o nosso preparador físico o terapeuta
João Velho. “A CTF – confederação Tuntuense de futebol, essa instituição
fica a cargo do presidente Elimar e seu diretor de esporte o Mundin”
Seriamos o equilíbrio político da sul America e defenderíamos a democracia
Americana e, ao mesmo tempo, o direito dos Cubanos e de Fidel Castro
fugirem para Santa Filomena e montarem uma indústria “Usina” de cana de
açúcar, mel, rapadura e cachaça.
Das profundezas das serras que circundam os Estados Unidos de Tuntum
extrairíamos a água para saciar a sede de nossos habitantes, “Desde o nosso
primeiro mandatário Isaac Martins até o Chico Cunha isso vem passando
despercebido” escolheriam desde água natural, até água mineral, inclusive
gaseificada, com a qual iriam farta-se, cujas as sobras madaríamos todas para
o Oriente Médio. Para tanto, a CAET, companhia de água e esgoto de Tuntum,
seria implantada e teria como Superintendente o Cheiroso.
Afinal, o transporte aéreo, seria bastante utilizado através da ARET (Aerolinea
Tuntuense) virtuoso empreendimento na vertente da logística, no transporte
dos bens e pessoas, e nos uniria ao Atlântico, através de São Luis onde
Tuntum, o País afortunado, teria uma base assegurado uma ligação com o
mundo via a MARET, a frota da Marinha Mercante sob o comando do
Almirante de Esquadra meu compadre Zé Neto, administradora dos nossos
navios gigantes, e dos transatlânticos que ficam baseados no nosso mar do
flores e de prontidão esperando autorização dos capitães de mar e guerra
Eliezim e Paulino “pedaço” para entrar em ação e conter qualquer invasão de
nossos limites territorial ou qualquer afronta a nossa soberania, essa nossa
frota seria movida à energia solar.
Portanto, o talento Tuntuense o Mestre Elias doutor em física aeroespacial,
associado ao raro nível de nossa tecnologia mais exacerbada, nos levaria à
criação de um teleférico, a partir da Serra Grande (Ponto culminante de nossa
Republica), como alternativa para transportar toneladas e toneladas de nossos
produtos industrializados, numa ligação através de túneis maiores do que
aqueles do Canal da Mancha, transportando até os Andes: Jenipapo, jatobá,
canapum, melancia da praia, ingá e zunzum, todas as viagens seriam em
direção ao pacifico como já citei.
Seria Tuntum dando a exemplo ao Curador “Presidente Dutra”, e a mata velha
“Dom Pedro” ao mundo e aos homens de boa vontade, essa divulgação
exemplar de País bem sucedido foi feito pelos nossos maiores colaboradores
o embaixador em Brasília o Chiquinho Andrade e seu assessor Flodoardo.
Como jamais os admirei, porém os faria pensadores do modelo contraditório,
que inspiraria o projeto de nosso país imaginário, traduzido nos exemplos de
Hugo Chaves, Bokassa, e Idi Amim dadá, os mais fervorosos defensores da
antidemocracia, da maldade e da bagunça ampla, geral e restrita.
Objetivaria essa lembrança deixar os registros para as crianças, jovens e
adultos que jamais se inspirassem nesses idiotas que tem ou tiveram poder de
mando nos seus condomínios.
Ainda bem que pensei nesses párias e acordei desse maluco sonho que jamais
deveria ter transitado, sob forma alguma, nas minhas fantasias, verdadeiros
devaneios que acabaram me fazendo rir dessa tresloucada imaginação, pelo
que peço desculpa a eventual leitor de minha despretensiosa crônica, pois não
tenho a intenção de ferir os brios de ninguém e nem de macular suas imagens..
Mas, como, acordar logo agora? Se não concluí a implantação desse utópico
País, esse estado inovador, que jamais se parecerá com qualquer outra nação
do hemisfério?...
Ainda iria criar os poderes pensados por Montesquieu, as demais estruturas, o
Gemnilson seria o MA – Ministro da Agricultura, a biblioteca Nacional dirigida
pelo Titico, o dinheiro que seria chamado de “Mim réis”, a Fert (Ferrovias)
dirigida pelo Jota Corelo “O nosso gentlemen do Tuntum de cima”, o Denet
(Departamento nacional de estrada de Tuntum) dirigida pelo Humberto
Figueiredo, inteligência nacional (Intenat), comandada pelo Fernando da Vila
Cearense, o serviço de processamento de dados (Seprodet) criado pelo Ocy
Jerônimo, etc. etc e abriria os mares dos flores às nações amigas! Do Capim a
São Joaquim dos Melos, todo isso abençoado pelo Cardeal primaz de Tuntum
o Gerardo Junior meu compadre e o Acerbispo metropolitano Louro do Leor
meu padrinho.
- Mas que mar, Remy? Aqui não existe mar!
- Ora, e a barragem do rio flores não é um verdadeiro mar?...
Como diria os piões antigamente: Vôoote!
Gente, foi apenas um sonho!!

10 comentários:

  1. so lombra em acho que o escritor estava pirandaoo !!!

    ResponderExcluir
  2. Belíssima crõnica do noso amigo José Remy, trazendo à flora nomes q fizeram e fazem parte, sem dúvida, da cultura de nossa Tuntum.
    Brasília, DF.

    ResponderExcluir
  3. Esta crônica do José Remi, é perfeita e mostra que Tuntum é diferente de todos os outros lugares que conhecemos, com seus “causo” e sua beleza única.

    ResponderExcluir
  4. Deusimar Lobão, aproveitando a oportunidade estou lançando o projeto da 1ª Antologia dos Poetas de Tuntum que pretendo organizar para ser publicada em 2012. Quem tiver interessado me procurar na Secretaria de Educação.

    ResponderExcluir
  5. MARCUS VINÍCIUS ARAÚJO DA MATA16 de agosto de 2011 11:36

    Belíssima... sempre enche de orgulho filhos de Tuntum, com trabalhos digníssimos feitos por esse mundo!!! PARABÉNS!!!

    ResponderExcluir
  6. Que legal amei ler a crônica do Remy o texto é muito bom, tem o nome de pessoas que dispensa comentários.

    ResponderExcluir
  7. Simplesmente sem sentido nenhum,esccreveu,escreveu e não disse a que veio.Quero é desenvolvimento e não molecagem,triste fato sem graça.
    Márcio Café.

    ResponderExcluir
  8. Parabéns pela crônica..

    ResponderExcluir
  9. Parabéns Remy, este livro tem que ser lançado em Tuntum-MA, no clube da ARVET com direito a um churrasco com direito a 100 grades de cerveja e 2 bois. Um abração, aguardo ansioso por esta belíssima comemoração !
    VAI FICAR NA HISTORIA O LANÇAMENTO DO SEU LIVRO.
    VALEU REMY/TUNTUM.

    ResponderExcluir
  10. Remy, fiquei feliz em encontra-lo.
    Se leres esta mensagem responde para o meu e-mail

    Abraços amigo

    ResponderExcluir